20080630

Cidade do Sol Poente

Na cidade do Sol Poente, as avenidas se transformam em um grande rio dourado. As nuvens resplandescem um rubro aboxechado que provoca a terna lembrança da canela como suco de saliva. Na cidade do Sol Poente habita uma bela gata de patas cinzas pelos negros e juba avermelhada. Como grande gatuna, transita em nobres pontos da cidade, deita em lugares proibidos, sobre em árvores centenárias. Bela entre as mais belas, a gata chamega entre as gamas dos que esqueceram se de suas barbas. Como um layout eles a acariciam sob a luz da lua sorridente. Se esquecem de quem são, e se deixam levar por milhoes de palavras que gostam de pronunciar sobre os mais divesos assuntos. Vossiferam palavras e praticam atitudes ilegais, mau eles sabem que a gata da cidade do Sol poente está apenas ali presente para que possam sussurrar seus mais breves segredos. Para que possam representar suas mais profundas açoes. Num palco de gatos pardos, a doce gata da alvorada, reluz entre outras, mas poucos sabem que ela não é um sonho. Que não é somente uma lembrança terna. Poucos sabem que ela somente ela pode ser a felina mais feminina das noites frias dos que habitam na cidade nascente.

2 comentários:

thais disse...

Eu adorei, modeste a parte. MAs meus antigos visitantes, onde andam?

caiocito disse...

Eu tb gostei. Li no dia que vc postou. Não comentei por timidez.